terça-feira, janeiro 16, 2018

Guia Bibliográfico da Nova Direita

Título: Guia Bibliográfico da Nova Direita - 39 livros para compreender o fenômeno brasileiro.
Autor: Lucas Berlanza
Editora: Resistência Cultural
Páginas: 241 (243-252 Apêndice, 253-255 Bibliografia)
ISBN: 9788566418149

Lucas Berlanza, frequentador da Escola de Samba União da Ilha do Governador, lugar onde tive o prazer de conhece-lo, escreveu esse livro após ler, como diz o título, 39 livros de autores diversos. Com pensamento liberal, ele ordena as resenhas nas seguintes seções: I- Origem e fundamento das Ideias; II-Como entender o Brasil; III-Grandes ícones da política internacional; IV-Um olhar sobre adversários e inimigos; V-Grandes temas e controvérsias; VI-Um olhar sobre os dias atuais, além da Conclusão.
São 39 livros comentados enfatizando o ponto de vista do autor, sempre com explicações convincentes de o porque aquilo está certo ou errado.
O livro, muito bem embasado, muitas vezes utiliza palavras difíceis, pelo menos para mim. Como exemplos: "anomia", "opúsculo", "falanstérios" entre outras, mas ao contrário do que possa parecer, a leitura é boa e fácil. Particularmente me senti um pouco perdido no início do livro, pois Lucas cita autores e outros personagens da história que me eram desconhecidos, mas a medida que chegamos aos dias atuais,  a leitura fica mais interessante. Diga-se de passagem, a cronologia é sempre bem vinda e Lucas a utilizou muito bem. É claro que fica fácil gostar de um livro que afina com as suas ideias, que é o caso em relação a mim, mas acho indispensável que todos leiam para entender finalmente, e realmente, o que é direita (e esquerda) na política nacional e mundial.
Nota: Não darei nota porque conheço o autor. Ele, como pessoa, merece 10.

domingo, janeiro 07, 2018

Caiu do Céu

Título: Caiu do Céu (millions)
Autor: Frank Cottrell Boyce
Editora: Nova Fronteira
Páginas: 254
ISBN: 8520917038

Tradução: Marcelo Mendes

Damian, um menino em idade escolar, que vive na Inglaterra é obcecado por santos. Ele se muda com o pai e o irmão Anthony após a morte da mãe para uma nova casa. Como muitas crianças ele tem, às vezes, necessidade de ficar sozinho, pensando na vida e nos santos e anjos. Uma das vezes que ele está em um local feito de caixas de papelão que ele chama de eremitério, um trem que está passando próximo deixa cair um saco. Quando ele vai verificar o que é, descobre que são milhares de Libras. Na verdade 229.370 Libras. Só que, na história, a Inglaterra vai trocar a Libra pelo Euro, e o dinheiro deixará de valer em poucos dias. Então ele decide que precisa gastar tudo em pouco tempo. Acontece que Damian só quer ser bom e ir para o céu, e não pensa em bens materiais. O irmão dele, embora concorde com Damian, tem outros pensamentos. Eles gastam muito dinheiro na escola, e em doações, quando possível. O problema é que são crianças e tem pensamentos infantis. Dorothy, uma mulher que angaria fundos para causas "nobres" visita a escola deles, e Damian faz uma grande doação anônima, mas claro, chama atenção e ele confessa que foi ele. A história vai por esse caminho com os muitos problemas que o dinheiro acaba acarretando.
É mais um livro contado na primeira pessoa por um personagem infantil. É interessante de ler, mas às vezes os pensamentos de Damian chegam a irritar. A história de ser excelente em tudo, de querer ir para o céu, é um pouco exagerada, embora perfeitamente plausível para uma criança. Em alguns momentos ele conversa com santos verdadeiros. O livro é bom, e dá para ler rápido. É uma história curiosa com santos e uma pitada de suspense. Nota 6.0

Nota: Acredito que o tradutor seja gaúcho, pois em alguns trecho ele chama o dinheiro de "pila", coisa típica do sul.

domingo, dezembro 31, 2017

>>> Melhor livro de 2017

O título vai para:

"O Céu nos Pertence" de Brendan I. Koener

O melhor livro de 2017, dos que eu li, foi, na minha opinião, claro, "O Céu nos Pertence", o primeiro livro que li no ano. Mas talvez minha opinião tenha a ver com o fato de eu gostar muito de aviação, inclusive, também gostei muito do "Erros de Pilotagem 5", livro que ganhei em uma "Show" de aviação no aeroporto do Galeão. Outros livros muito bons foram "Carga Perigosa", "Sexo na Casa Branca", "Código Explosivo" e o surpreendente "Onda", que me levou a comprar o "Mavericks A onda sinistra". Já "O Mundo Explicado por T.S. Spivet" e "Um Oceano em Iowa", dois livros visto do ponto de vista de crianças foram os mais originais, sei lá, diferentes. Vale a pena ler.

Argentina: Território e Globalização

Título: Argentina: Território e Globalização
Autor: María Laura Silveira
Editora: Brasiliense
Páginas: 87 + Indicações para leitura, lista de mapas e sobre a autora
ISBN: 8511000658

O livro é como se fosse uma tese universitária onde a autora descreve com palavras típicas desse tipo de texto e uma enxurrada de dados, fatos sobre a Argentina. Na verdade é um pouco mais do que isso. Conta muito da história do país, e como a Argentina chegou ao patamar que se encontra hoje, ou melhor, na época em que ela concluiu o livro, que teve a sua primeira edição em 2003.
Não é um livro indicado a quem goste de literatura do ponto de vista da arte, e sim para quem queira conhecer um pouco mais da história e geografia da Argentina. Esse tipo de literatura costuma ser enfadonha de ler, mas levando-se em conta esse ponto de vista, é até surpreendentemente melhor. Há mapas e indicações para leitura. O sumário, no início do livro conta com cinco capítulos e alguns subcapítulos. Autora se licenciou em geografia pela Universidad Nacional de Comahue, da cidade de Neuquén na Argentina, logo, ela conhece bem esse maravilhoso país. Nota 5.0

sexta-feira, dezembro 29, 2017

Um Oceano em Iowa

Título: Um Oceano em Iowa (An Ocean in Iowa)
Autor: Peter Hedges
Editora: Record
Páginas: 252
ISBN: 8501056111

Tradução: Beatriz Horta

O livro, comprado em uma feira de livros em Presidente Prudente, SP, por R$ 10,00, conta a história dos sete anos de Scotty Ocean, morador de Iowa. A família dele é constituída pelo pai, um juiz, a mãe, Joan Ocean e as irmãs Claire e Maggie, poucos anos mais velhas que ele. No início do livro há o aniversário de sete anos de Scotty. A história segue contando coisas como que ele vai a escola todos os dia, tem uma professora, a sra Boyden, dedicada a turma que promove atividades culturais. Ele tem alguns amigos, uma admiradora e a turma das séries superiores que não são tão amigáveis assim. Sua mãe é pintora e alcoólatra. Em algum momento do livro ela simplesmente vai embora abandonando o marido e os filhos.
O juiz faz tudo para manter a vida o mais normal possível. Ele é um bom pai.
Scotty fica vidrado na mãe de um colega de escola que recém mudou para a vizinhança. Certamente por não ter mais a sua própria mãe por perto. Ele não quer fazer oito anos. Perto do fim do livro, o pai constrói uma piscina que pretendia pronta para o quatro de julho, mas só fica pronta para o dia doze, o aniversário do temido oito anos de Scotty.
O livro conta com um índice de oito capítulos e é relativamente bom de ler. Embora seja uma história de um garoto com sete anos de idade, e seus colegas e irmãs de idade parecida, não é um livro infanto-juvenil. É mais para adulto mesmo, e acho que o autor soube descrever bem os sentimentos de uma criança com a idade dele. O título não tem nada a ver com o mar, e sim com o sobrenome do personagem. É bom, mas não é maravilhoso. Nota 6.0

quinta-feira, dezembro 21, 2017

Atlânticos & Pacíficos

Título: Atlânticos & Pacíficos
Autor: Daniel Chutorianscy
Editora: Garamond
Páginas: 102
ISBN:857617795

Esse é um livro que se diz de contos, mas não são bem contos que ele conta. Na verdade são textos aleatórios. O sumário conta com "Desprefácil", "Como se dias mágicos houvesse", "Verbo de contacto", "Desaceitando conformações rancorosas", "Nada enigmáticos sorriso", "Estrado na subida", "Trinca de palhaços", "Triparediano ou quadriparediano", "Lunetas e versões", "A idéia mais arrogante", "Nascem nas gretinhas", "Fruto vermelho e adocicado", "Vindas de sei lá onde", "Talismáquinas ou maquismã", "Filhos desses rumorosos tempos".
São textos onde o autor "brinca" por assim dizer, com as palavras, mas não achei leitura agradável. Alguns desses contos são sem "pé nem cabeça", uma leitura um tanto quanto maluca. Certamente é esse o estilo que o autor desejou obter, e conseguiu. Pode ser que agrade a alguns, mas não a mim. Aliás, o título do livro não tem nada a ver com o conteúdo.  Nota 4.0

sexta-feira, dezembro 15, 2017

Imagem Dupla

Título: Imagem Dupla (Double Image)
Autor: David Morrell
Editora: Rocco
Páginas: 434
ISBN: 8532515398

Tradução: Alberto Lopes

Esse livro foi um "brinde" do Projeto Mais Leitura ds Imprensa Oficial do RJ para quem compra 10 livros e tem o cartãozinho deles. Eu tenho. A escolha é meio aleatória em meio a somente alguns livros.
A história inicia na Bósnia onde o fotógrafo profissional Mitch Coltrane está tirando secretamente fotos de um grupo que estava tentando apagar provas de um genocídio. Ele é descoberto e consegue fugir, mas quase morre. Mitch volta para Los Angeles, onde mora, e passa a ser perseguido por Dragan Ilkovic, o criminoso responsável pelo genocídio.
Paralelamente a isso Coltrane vai a uma exposição de Randolph Packard, um fotógrafo famoso de quem Mitch admirava muito, e lá se conhecem e Packard acaba convidando Mitch a fazerem um projeto juntos. Entretanto Packard falece e Mitch continua o projeto sozinho. Isso o leva a comprar uma casa que foi de Packard, onde encontra fotos de uma bela garota. Ele pesquisa junto a um investigador particular e descobre que se trata de uma antiga atriz chamada Rebecca Chance. Packard também deixou uma propriedade no México para uma garota chamada Natasha Adler. Mitch vai atrás dela e fica espantado ao ver a imensa semelhança entra Tash (Natasha) e Rebecca. O livro, cheio de "viradas" leva a um fim "cinematográfico".
O texto é muito gostoso de ler. Prende o leitor o tempo todo. Composto de 12 capítulos e um epílogo. Cada capítulo tem alguns subcapítulos, quase todos curtos, o que facilita os intervalos de leitura. A história mistura mistério, suspense, romance, crimes e todos os ingredientes de um bom filme. O estilo lembra Dan Brown e Christopher Reich ("Farsa" e "A Vingança"). Nota 8.0

terça-feira, dezembro 05, 2017

Até as Vaqueiras Ficam Tristes

Título: Até as Vaqueiras Ficam Tristes (Even Cowgirls get the blues)
Autor: Tom Robbins
Editora: Marco Zero
Páginas: 359

Tradução: Reinaldo Guarany

Esse livro conta a história de Sissy Hankshaw, uma linda garota que nasceu com dois polegares anormalmente grandes, e que, talvez por essa razão, tenha se tornado uma "expert" em pegar caronas. Ela fazia isso o tempo todo, e era sustentada por uma tal de Condessa que não entendi direito se era homem ou mulher. Ela se torna modelo e vai gravar um comercial para a Condessa no rancho Rubber Rose. Lá ela encontra um grupo de garotas que em algum momento decidem que no rancho, que era uma espécie de SPA, só deveriam trabalhar mulheres. Vaqueiras, para ser mais exato. E no meio disso tudo há o problema com o Grous, pássaros que durante a sua imigração passavam pelo rancho. Na verdade o comercial que Sissy vai gravar tem a ver com a dança de acasalamento dos Grous. Os pássaros estão em extinção e as vaqueiras passam a protege-los, e de alguma forma, o governo dos Estados Unidos quer tomar posse do processo de "defesa" dos pássaros.
É mais ou menos isso. Na verdade o livro é confuso mesmo. E o autor faz questão de aparecer. Em alguns trechos ele conversa com os leitores e às vezes até se esquece da história. O subcapítulo 100, por exemplo, é todo dedicado a "comemoração" do autor por ter chegado ao subcapítulo 100. Pouco depois, no subcapítulo 104, ele narra uma discussão entre o cérebro e o polegar. Quer dizer, tem umas loucuras dessas, mas o livro até que é coerente, apesar de tudo.
Ele é dividido em 7 partes com 121 subcapítulos. Demorei um pouco para ler, mas não é por ser um livro maluco como possa parecer nesse minha breve descrição. Ainda assim acho que o autor "enrola" demais, entretanto com um pouco de paciência dá para terminar direitinho. Sem dúvida é um livro "diferente". Nota 5.5

sábado, novembro 04, 2017

Desastres do amor

Título: Desastres do amor
Autor: Dalton Trevisan
Editora: Record
Páginas: 141
ISBN: 8501014621

"Desastres do amor" é um livro de contos, em geral havendo conflitos entre homens e mulheres. Não sei se é característica do autor, mas a maioria dos personagens se chamam João e Maria. Como não dá para resumir todos os contos, vou colocar os títulos de cada um: "As Marias", "Alegrias de Cego", "O Circo das Mulas Azuis", "Mocinha de Luto", "Memórias de um Sovina", "Maria Pintada de Prata", "Tantas Mulheres", "Canário, Broca, Valsinha", "Nove", "João sem Maria", "Onde Estão os Natais de Antanho?", "O Peixinho Dourado", "Vozes do Retrato", "O Nojo", "Luz na Varanda", "Os Velhos Piratas Morrem na Cama", "Bichos da Noite", "Em Manobra", "Dez Anos Depois", "Todas as Marias São Coitadas", "Cafezinho com Sonho", "Vestido Preto de Cetim" e "Na Força do Homem".
Os contos são curtos, mas a leitura é um pouco confusa. O autor economiza em palavras, omitindo, às vezes, uma palavra na frase, deixada para o leitor completar, daquele tipo "onde fulano?" ou invés de "onde está fulano". O livro é realmente, antes de tudo, um passatempo, mas acho que poderia ser melhor. Nota 4.0

quarta-feira, novembro 01, 2017

Mavericks A onda sinistra

Título: Mavericks A onda sinistra (The Voodoo Wave)
Autor: Mark Kreidler
Editora: Zahar
Páginas: 195 (196-197 Agradecimentos)
ISBN:9788537810941

Tradução: Julia Romeu

"Voodoo Wave" com o subtítulo não traduzido: "Inside a Season of Triumph and Tumult of Mavericks" conta a "história" dessa onda fantástica. Sim Mavericks é o nome de uma onda que quebra próximo a Half Moon Bay, um lugar ao sul de San Francisco na Califórnia, próximo ao pequeno porto de Pillar Point no condado de San Mateo. Jeff Clark, em 1975, procurando um lugar para surfar, encontrou essa região. Por 15 anos ele surfava sozinho ali, até convencer a colegas a tentarem surfar a onda. Ela é realmente traiçoeira, perigosa e enorme. Posteriormente ele conseguiu criar um campeonato nessa praia, e mais tarde, o investidor Keir Beadling criou a MSV (Mavericks Surf Venture) em sociedade com Jeff, uma empresa dedicada principalmente a administrar e divulgar o campeonato. Mais tarde eles se desentenderam por Beadling olhar muito o lado empresarial, enquanto Clark olhava o lado do esporte, e Clark acaba demitido de sua própria empresa. A história fala sobre tudo isso, mas há uma ênfase no campeonato da temporada de 2009-2010 com um campeão de certa forma surpreendente.
Eu comprei esse livro por ter lido e gostado de "A Onda" de Susan Casey, em julho desse ano. Realmente surf não é "minha praia" e nem "minha onda", mas o livro é muito bom e empolgante. O leitor aprende muito sobre como funciona esse esporte na modalidade "grandes ondas", que são paredões de água de cerca de 12 a 20 metros. É realmente impressionante, e o Kreidler descreve muito bem os detalhes do campeonato e os acontecimentos da época. Apenas achei que o autor, em determinadas partes do livro, cria uma expectativa, e antes de contar o desfecho, estende muito o texto. Talvez seja uma técnica, mas achei um pouco exagerado, entretanto, ainda assim é um livro muito bom. Nota 7.0

quinta-feira, outubro 26, 2017

Nuvem de Pó

Título: Nuvem de Pó
Autor: Priscila Ferraz
Editora: Marco Zero
Páginas: 156
ISBN: 9788527904452

A história se passa em um lugarejo que fica ho interior de Goiás próximo a divisa com Minas Gerais chamado Bezerra (as cidades referências são Formosa GO ou Buritis MG) . Cláudia, Fernando e os filhos, moradores de São Paulo, vão passar uns dias lá. Aterrissam em Brasília onde são recebidos por Mauro, que os leva de pickup à fazenda. Chegando lá, eles encontram Ondina, uma jovem que está prestes a ter um filho, já no início das dores de parto. Não havia como levar ela a um lugar mais preparado, e Cláudia, com a "ajuda" de um presente encantado de Mafalda, uma espécie de fada, consegue fazer o parto ela mesmo. Eles ficam lá uns dias e Fernando ao voltar para São Paulo, leva a idea de comprar uma fazendo por lá. Paralelo a isso, há história de Luzia, que tem filhos, e entre eles, Lucinda, uma linda garota novinha. Ela queria ir a uma festa mas não tinha roupas, então aparece Mafalda, que lhe presenteia com um embrulho contendo um lindo vestido. Agenor, que trabalhava numa fazenda próxima, visita os pais de Lucinda, pois seu patrão deseja comprar terras na região. Lá ele conhece Lucinda e se apaixona por ela. Ela corresponde, mas eles, pela timidez das pessoas da roça, não conseguem se falar. Trocam olhares, e fica por um tempo, apenas, nisso. Mas Agenor vai pedir a mão dela ao pai, e mais para o final do livro, eles se casam.
Fernando compra a fazenda e o Agenor passa a ser o capataz da propriedade.
É um livro, para, digamos assim, pós-jovens, pois é uma historinha simples, com a presença encantada de uma fada que também tem sua triste história contada no livro. A simplicidade do conto, dividido em 38 capítulos, faz a leitura ser bem rápida. É mais um passatempo daqueles que é gostoso de ler, mas não é profundo. Um dos atrativos principal da história é acontecer no Cerrado brasileiro. Nota 5.0

sexta-feira, outubro 20, 2017

Fuga dos Andes

Título: Fuga dos Andes
Autor: José Antônio Pedriali
Editora: ADBR (Record)
Páginas: 391 (393 Referências; 395-397 Roteiro (descrito no livro) ; 401-403 Mapas)
ISBN: 9788501085948

O livro "Fuga dos Andes" de José Pedriali conta a história em que o jornalista Humberto Morabito conhece Beatriz no Mosteiro de Santa Catalina, e logo gosta da moça. Posteriormente, mas é assim que começa o livro, Humberto está no Peru para cobrir o assassinato de oito jornalistas na aldeia de Uchuraccay. O crime abalou o país. Ele inicia a reportagem, e tenta entrevistar um membro do Sendero Luminoso, organização terrorista que atuou no Peru nas últimas duas décadas do século XX. Ele sai da cidade com esse propósito mas é interceptado pelos sinchis, uma espécie de tropa de elite do exército peruano. Os militares confiscam os filmes e a camera de Humberto, e depois de revelar os filmes, consideram suas fotos subversivas. A partir daí ele começa a ser perseguido pelos militares. Humberto mantém contato com a tia e a irmã, Maria del Carmem, de Beatriz, que usa outros nomes, já que vive uma vida secreta.
Posteriormente ele reencontra Beatriz e eles começam a ser perseguidos tanto pelo Sendero Luminoso, quanto pelo exército peruano. Então eles iniciam uma fuga pelos Andes, que dá título ao livro.
Achei o texto, inicialmente confuso. Não conseguia entender direito o que estava acontecendo. Fica mais estranho pela narrativa de um humilde morador de Uchuraccay. Outra coisa difícil são os nomes daquelas cidades e aldeias peruanas, além, claro de muitos nomes e termos do índios locais. Mas então a história começa a fazer sentido e vai ficando muito boa. A fuga do casal é interessante e bem narrada.
A narrativa mescla fatos reais com personagens fictícios, mas o autor parece bem fiel aos fatos históricos relevantes. É uma parte importante da história do Peru, e transporta o leitor para o que era a vida dos peruanos naquela época. Uma coisa interessante, é que, para mim pelo menos, estimulou estudar um pouco mais daquele período naquele país. Nota 6,5

segunda-feira, setembro 25, 2017

Vida e Morte em São Paulo

Titulo: Vida e Morte em São Paulo
Autor: Marcos Drumond Junior
Editora: Brasiliense
Páginas: 127 (129-134-Referências Bibliográficas, 135 sobre o autor)
ISBN: 8511000615

Esse livrinho faz parte de uma série chamada SP21 que se diz "um panorama dos caminhos da metrópole neste novo milênio". Na verdade ele traz uma série de estatísticas sobre como as pessoas morrem em São Paulo. Claro que violência, problemas com drogas e alcoolismos, e obviamente, doenças cardíacas, principalmente entre as pessoa mais velhas, estão entre as causas mais frequentes.
Na verdade é uma coleção de estatísticas, "justificadas" pelo autor.
Não é um livro agradável de ler, é preciso amar muito São Paulo para ter paciência para ler essas 127 páginas. O autor fica descrevendo, ou justificando, cada item das várias estatísticas que tem no livro. Parece muito com uma tese de mestrado, ou coisa parecida, mas não achei agradável de ler. Na verdade é bem chato, mas dá pra entender, através da leitura desse livro, os erros e as injustiças sociais que ocorrem nesse país onde se localiza a linda cidade de São Paulo. Nota 3.5

quinta-feira, setembro 21, 2017

Mystery Train

Título: Mystery Train
Autor: Luiz Bernardo Pericás
Editora: Brasiliense
Páginas: 149 (151 sobre o autor)
ISBN: 9788511001006

Apesar do título ser em inglês, trata-se de uma obra de um escritor brasileiro. A história é de um viajante, uma espécie de mochileiro, que resolve que estava na hora de conhecer melhor os Estados Unidos. Ele pega um trem e vai passando por cidades como Denver, e os estados de Utah, Nevada, até chegar a California, onde encontra um amigo, Bernardo. Depois de ficar um pouco em San Francisco, eles vão a Los Angeles, e depois decidem ir ao Novo México. De lá, o Bernardo volta à California e o protagonista vai para Chicago, voltando depois para New York, sempre de trem. Na viagem eles frequentam bares de baixo nível, e hotéis baratos. Ele certamente não tinha muito dinheiro.
O autor tem tendência esquerdista é como todos eles, gosta de criticar quem ganha dinheiro, defendendo sempre a "classe operária". Ele deixa transparecer esse aspecto em várias passagem do livro. É também histórico. É interessante aprender algumas coisas sobre a história americana, apesar de ser sempre através da visão socialista do autor. Não tenho certeza do que é ficção ou realidade nesses relatos, mas esse viés esquerdista me incomodou um pouco. Afinal, se os Estados Unidos são tão capitalistas, o que ele estava fazendo lá? Mas, o texto não é ruim de ler, embora seja um tanto quanto depressivo em grande parte do livro. Apesar de tudo lê-se rapidamente. Nota 5.0

terça-feira, setembro 19, 2017

Muito Além dos Arrozais

Título: Muito Além dos Arrozais
Autor: Sérgio Lucena e Elisa M. Lucena
Editora: Zeus
Páginas: 101
ISBN: 8588038056

O livro conta a história de um ex-combatente da guerra do Vietnã, que durante uma batalha encontra Ngo Van Ky, um velho vientnamita ferido mortalmente abraçado a uns cadernos. O velho os entrega ao soldado pouco antes de morrer. Muito tempo depois, a guerra já uma lembrança distante, o ex-soldado encontra os cadernos e resolve procurar alguém para traduzi-los. Em primeiro lugar ele procura um antigo colega do exército que conhecia o idioma local e pede ajuda, mas este se recusa, dizendo querer esquecer todo aquele passado. Então, por sugestão desse mesmo colega, ele coloca um anúncio nos classificados e realmente aparece um casal de vietnamitas idosos que o ajuda na tradução. São três cadernos com mensagens edificantes e histórias para pessoas repensarem a vida. Na verdade um livro é para quem acredita na "vida" o outro é para quem está na dúvida e o terceiro é para os mais descrentes.
È um livro curto e rápido que não diz muita coisa. Não achei nada de novo nas mensagens. E pior, ainda há um certo apelo religioso. Não é um livro ruim de ler, mas está longe de ser maravilhoso. É mais um passatempo, mas pode ser que "toque" algumas pessoas, não foi o meu caso. Nota 5.0

sábado, setembro 16, 2017

Resultado Bruto

Título: Resultado Bruto (Marge Brute)
Autor: Laurent Quintreau
Editora: Rocco
Páginas: 127
ISBN: 9788532524164

Tradução: Bernardo Ajzenberg

A história do livro do francês Laurent Quintreau se passa em uma reunião corporativa composta por 11 pessoas em uma empresa de comunicação situada na França. O chefe, Rorty, é quem comanda a reunião. Ele é obcecado em diminuir custos de salários com o enxugamento da empresa através, obviamente, de demissões. As pessoas envolvidas com seus funcionários estão desconfortáveis com essa ideia. Entretanto todos tem problemas pessoais e opiniões, digamos assim, particulares, sobre os outros participantes da mesa. Composto em 11 capítulos, cada capítulo descreve o pensamento íntimo de cada participante, mostrando que seus pensamentos estão distantes, em grande parte do tempo, do propósito da reunião.
É mais um livro diferente, curto, que se lê em dois dias no máximo, e no qual os únicos sinais de pontuação no texto, são reticências que iniciam e terminam cada capítulo, e vírgulas. Não há um ponto de exclamação, interrogação, ponto final, parágrafo ou ponto-e-vírgula. Acredito que o autor quis representar como funciona a mente. Apesar que nos nossos pensamentos existam interrogações, exclamações, etc. Mas ele preferiu não colocar.
Realmente é um livro desconcertante para pessoas que acreditam no falso padrão cultural que nossa sociedade insiste em fingir que existe. É de uma realidade cruel para quem vá comandar uma reunião, embora o próprio chefe também tenha pensamentos paralelos extra-assunto de trabalho. 
De alguma forma o autor fez uma relação com a "Divina comédia" de Dante, e agrupou os nove primeiros capítulos no que ele chamou de "Inferno", o décimo capítulo de "Purgatório" e o último de "Paraíso", mas esse agrupamento não é tão relevante assim para o livro.
Apesar de não ser um livro comédia, às vezes é bem engraçado, e, como disse acima, expõe a hipocrisia da nossa sociedade ocidental. Nota 7.0